Poesias

  


A FORÇA DAS PALAVRAS


Se por ventura,
você se encontrar
em algumas dessas poesias,
e se identificar como personagem central
de algum desses poemas,
ou ainda,
se você sentir dor, angustia, emoção, saudades...
Se sentir o peito palpitar,
o coração pulsar,
a alma levitar,
ou sentir uma lembrança repentina
de um momento que você viveu,
de alguém que você não esqueceu,..
Não se assuste.
Você simplesmente está sendo tocado
pela inefável magia do poder das palavras
através da poesia.


(Mary de Jesus)








PAIXÃO


Profundo abismo                               
Num mar de emoções
Que aflora os sentidos
Vazando as razões
Nos desejos contidos
Em meio a prisões.

Tão longa a espera
  O tempo ampliando
    Minutos em horas
     Nas batidas pulsando
      Rasgando o corpo
        E o peito cortando.

Desejo crescente
Felicidade que dói
Tortura envolvente
Prazer que destrói
E tão loucamente
 A alma corrói.                 

Virose repentina           
  Doença incurável
   Deliciosa sorbina
    Sabor incontestável
      Na febre que alucina
       Num ato indomável.

Corpo estremecido
Emoção desmedida
De esforço aguerrido
Em nome da vida
Que pulsa e que sangra
Sem se dar por vencida.

Vida que mata
  Morte instintiva
    Sentimento voraz
      De atitude impulsiva
       É fogo, é vulcão
        É paixão explosiva.
(Mary de Jesus)






CORAGEM



Se eu chorar
Que me sequem as glândulas lacrimais,

Se eu gritar
Que me rompa às cordas vocais,

Se eu tremer
Que me atrofie toda a musculatura,

Se eu doer
Que me lancem pontas afiadas,
                          
Se eu arder
Que me  queime o corpo e a alma
                                                             
Se eu cegar
Que eu não esqueça a imagem,

Se eu me ferir
Que me arranque a pele sem dó

Se eu não cicatrizar
Que me perfure a ferida outra vez,

Se eu cansar
Que me corte as pernas ao tronco,
                               
Se eu sangrar
Que me consuma a última gota de sangue,

Se eu ofegar
Que me roube até o último suspiro,

E se eu não mais pulsar
Que eu morra pra viver outra vez,

Porque viver o amor e dele morrer
É ter coragem para renascer a amar de novo.



(Mary de Jesus)











EU POSSO TUDO

Quando fecho meus olhos
Abro as janelas da imaginação
Posso ser céu, tocar as estrelas
Posso ser constelação

Quando fecho meus olhos
Eu viajo em cometas
Exploro todas as galáxias
Visito todos os planetas

Quando fecho meus olhos
Do tempo eu sou viajante
Visito o passado e o futuro
E viajo sem comandante

Quando fecho meus olhos
Eu posso beijar o proibido
Posso abraçar o infinito
E reviver o adormecido

Quando fecho meus olhos
Eu faço meus planos
Ignoro os obstáculos
Me projeto a longos anos

Quando fecho meus olhos
Eu faço travessuras
Sem medo da consciência
Sem manter a compostura

Quando fecho meus olhos
Posso fazer o que quiser
Eu posso tudo, eu quero tudo
Seja o quer for, venha o que vier.




(Mary de Jesus)







MINHAS FACES


Sou humana
 Menina carente
Guerreira mulher
Forte e valente

Sou metal
Navalha cortante
Rocha endurecida
Pluma esvoaçante

Sou antídoto
Néctar fatal
Fel adocicado 
Veneno mortal

Sou fogueira
Água transparente
Fonte obscura
Chama envolvente

Sou outono
Inverno e verão
For de primavera
Qualquer estação

Sou ilusão
Feita do irreal
Peça do destino
Providencial

Sou lágrima
Fonte de emoção
Extinto genioso
Buscando o perdão

Sou pedaços
Procurando cola
Preenchendo espaços
Por ai a fora.



(Mary de Jesus)







EU POSSO TOCAR VOCÊ 

Me descobri em palavras
  Me descobri em missão
    Para sentir a alma humana
      Para mexer com a emoção

          Trago o dom da escrita
            Posso entrar no seu interior
             Posso absorver seu passado
               Posso tocar sua dor

                  Posso ler pessoas
                    Decifrar sentimentos
                      Psicografar emoções
                        Aliviar ferimentos

                            Posso enaltecer fúrias
                              Posso despertar paixões
                                Posso acalentar amarguras
                                  E despertar reflexões

Posso te olhar por dentro
  Posso te analisar por fora
    Posso te expor em poesia
      E te encontrar em outrora

        Eu posso encantar você
          Posso te emocionar
            Posso te tocar na alma
              Posso te adivinhar

                 Posso usar o olhar
                   Para te compreender
                     E de forma poética
                       Eu declamo você

                           Através das palavras
                             Eu posso te descrever
                               E usando a poesia
                                 Eu posso tocar você.


(Mary de Jesus)





VALSA DAS PALAVRAS

Escrevo,
Escrevo em linhas tortas, retas, invisíveis
Escrevo seduzida pelas palavras
 De essências intransponíveis.
Escrevo com a alma sorrindo
Com o coração cantando
Com a alegria fluindo
Do meu ser levitando.
Escrevo construindo
Destruindo vazios
Ultrapassando razões
Sentindo as emoções.
Escrevo sem conhecer
Todas as palavras que eu quisera saber
E me aproximo delas
Para a elas absorver.
Escrevo encantada, enamorada
Como se deslizasse uma valsa no salão
Seduzida por um cavalheiro
No baile da minha ilusão.
Escrevo sem ser escriba, sem ser poeta
Explorando significação
E vou construindo histórias
Como nos versos de uma canção.
Escrevo, simplesmente escrevo
Ouvindo a voz do meu coração
E vivo assim em meio as palavras
Dançando com elas na imensidão.
Escrevo, apenas escrevo.


(Mary de Jesus)




OLHANDO ESTRELAS


Quando olho as estrelas                                 
Vejo anjos dançando                                       
Sinto-me completa                                            
Sinto-me levitando                                            
Com alma de atleta                                           
Pelo céu treinando                                           
E nada me afeta                                              
Eu sigo voando...                                              

                                 Quando olho as estrelas                                 
                                 Vejo possibilidade                                           
                                 Sinto-me criança                                             
                                 Sinto-me verdade
                                 Relembro a infância
                                 De felicidade
                                 E tudo é lembrança
                                 Tudo é saudade...   

                                                                         Quando olho as estrelas
                                                                         Eu saio de mim
                                                                         Sinto-me refrão
                                                                         Sinto-me assim
                                                                         Uma bela canção
                                                                         Música enfim
                                                                         Como numa oração
                                                                         Emoção sem fim...

                                   Quando olho as estrelas
                                   Sou constelação
                                   Sinto-me brilhar
                                   Sinto-me clarão
                                   Centelha a flutuar
                                   Na imensidão
                                   Luz a realçar
                                   A imaginação...

Quando olho as estrelas
Viro poesia
Sinto-me imortal
Sinto-me alegria
Sarau celestial
Bela antologia
Tudo é cordial
Tudo é fantasia.

(Mary de Jesus)



AS MULHERES EM MIM  


Fui enviada em missão
  Numa longa viagem
   Com minhas vidas passadas
    Guardadas na bagagem

                          Eu sou toda fragmentos
                            De uma alma completa
                                Peregrinando  pelo tempo
                                  Na previsão de um profeta

Carrego diversas mulheres
    Pela herança existencial
       Para cada sentimento
         A força transcendental

                               Helena de Tróia, Cleópatra
                                  Mulheres de fortes paixões
                                    Diana de Poitiers  e Julieta
                                      Envolta em emoções

Joana D’arc, Iansã
  Tempestivas lutadoras
     Anita e Olga Benário
      Ideológicas sonhadoras

                               Frida Khalo e Tarcila
                                 Minhas almas de artista
                                   Rachel de Queiroz e Lispector
                                     Em meus traços na escrita

Sou centelha dessas mulheres
  Em minhas faces escondida
   Sou metade incompleta
     Me buscando além da vida.


(Mary de Jesus)




EU POSSO TUDO

Quando fecho meus olhos
Abro as janelas da imaginação
Posso ser céu, tocar as estrelas
Posso ser constelação

Quando fecho meus olhos
Viajo em cometas
Exploro todas as galáxias
Visito todos os planetas

Quando fecho meus olhos
Do tempo sou uma viajante
Volto ao passado, visito o futuro
Viajo sem comandante

Quando fecho meus olhos
Eu posso beijar o proibido
Posso abraçar o infinito
E reviver o adormecido

Quando fecho meus olhos
Eu faço meus planos
Ignoro os obstáculos
Me projeto a longos anos

Quando fecho meus olhos
Eu faço travessuras
Sem medo da consciência
Sem manter a compostura

Quando fecho meus olhos
Posso fazer o que quiser
Eu posso tudo, eu quero tudo
Seja o quer for, venha o que vier.



(Mary de Jesus)



AQUARELA BRASILEIRA


Daquele preto
Escuro retinto 
Sombra reluzente
Herdeiro distinto
Da raça e da cor
Forte e viril
Português-africano
Do preto Brasil.
Daquele preto
De alma guerreira
Do branco e do índio
Quebrou a fronteira
E na mistura do sangue
Fez nossa bandeira.



(Mary de Jesus)




MEUS SONHOS



Os sonhos que eu tive eram ilusionistas
E me transformavam numa imortal
Os sonhos que eu tive eram fantasias
E encantaria qualquer ser mortal.

                                                   Os sonhos que eu tive eram adocicados
                                                   E preenchia a vida com muita ternura
                                                   Os sonhos que eu tive tinham liberdade
                                                   Sem haver sequer alguma censura.

Os sonhos que eu tive tinham mistérios
Onde eu desvendava todos os segredos
Os sonhos que eu tive eram de coragem
Onde eu vencia todos os meus medos.

                                                    Os sonhos que eu tive eram cor-de-rosa
                                                    Porque eram pintados com o meu amor
                                                    Os sonhos que eu tive eram anestésicos
                                                    E aliviavam toda a minha dor.

Os sonhos que eu tive tinham harmonia
E a alegria estava em qualquer lugar
Os sonhos que eu tive tinham heróis
Que me socorriam ao meu chamar.

                                                     Os sonhos que eu tive eram possíveis
                                                     Porque eram feitos de esperança
                                                     Os sonhos que eu tive se realizavam
                                                     Porque eu era apenas uma criança.



(Mary de Jesus)





ENCONTRO DAS ÁGUAS
               
Forte temporal
Torrente hostil
Surgindo, fluindo
Rompante e viril.

             Fria tempestade
             De águas correntes
             Atingindo os flúmens
             Em marés presentes.

Intrigante mar
Fonte cristalina
Em disfarce turvo
Pedra turmalina.

              Invasiva enxurrada
              Desaguando emoções
              Nas águas contidas
              Quebrando impressões.

Encontro das águas             
Correnteza afluente 
Entre rios e rios
De um Rios envolvente.

               Choque entre as águas
               Enchendo vazios
               Rompendo barreiras
               Entre Mar e Rios.

Rios que transborda
Oásis em deserto
Nascente distante
Estando tão perto.


              Curso perigoso
              Forças desmedidas
              Insurfável ondas
              Águas proibidas

 Profundo oceano
 Emoções sem fim
 Águas fervescentes
 Desaguando em mim.



        Mariana Helena de Jesus
(Mary de Jesus)





 MEUS CORTES



A faca que me corta
 Corta meus dias com tanta amargura
  Corta meus dias com agressão
    Corta meus dias com tanta ternura
      Corta meus dias com inovação.


A faca que me corta
 Corta meus sonhos com a realidade
  Corta meus sonhos pela ilusão
    Corta meus sonhos com brutalidade
      Corta meus sonhos com ostentação.


A faca que me corta
 Corta meu coração com encantamento
  Corta meu coração pela emoção
    Corta meu coração com deslumbramento
      Corta meu coração com ingratidão.


A faca que me corta
 Corta minha alma com sentimento
  Corta minha alma pela devoção
    Corta minha alma pelo tormento
     Corta minha alma pela oração.


A faca que me corta
 Corta-me a amizade e o perdão
   Corta-me os desejos e a tentação
     Corta-me os esforços e os sentidos
       Corta-me os amores e a paixão.


A faca que me corta
 É afiada pra poder furar
   É afiada pra poder rasgar
    É afiada pra fazer sangrar
     É a própria vida no seu pulsar.




(Mary de Jesus)